Saúde: De volta para o Passado!

10/09/2011 23:44
O filme “De Volta Para o Futuro”, de Zemeckis e Bob Gale, produzido por Steven Spielberg e estrelado por Michael J. Fox, Christopher Lloyd, retrata a história de Marty McFly, um adolescente que, acidentalmente, é mandado de volta no tempo, de 1985 para 1955. Em meio a trama complicada que se envolve o adolescente, ele precisa aprender a lidar com suas emoções e seu problema de autoestima e autoafirmação, que são caracteríticas negativas de seu passado, e que fazem grande diferença em seu futuro. Um bom exemplo ´para ser avaliado enquanto se saboreia um bom filme.

    O tempo sempre foi um elemento muito considerado na maioria das religiões. Sabemos que todos os ícones das mais diversas divindades expostas pelo homem nos anais da humanidade tinham uma intrínseca relação com o tempo nas suas muitas formas de se apresentar. Temas como eternidade, passado, presente, futuro, sempre permearam o consciente e o inconsciente humano em suas mais variadas formas de religiosidade.

    Quando pensamos no passado podemos optar por fazê-lo de um modo positivo ou negativo. Novas pesquisas sugerem que as atitudes das pessoas ou perspectiva sobre o passado desempenha um papel importante na forma como os indivíduos percebem os eventos atuais e futuros.

    Em outras palavras, lembrando do passado em um contexto positivo pode ajudar a melhorar a sua saúde

    Pesquisadores da Universidade de Granada (UGR) descobriram que a atitude das pessoas sobre eventos passados ​​influencia a sua percepção de saúde e sua qualidade de vida

"Temos observado que quando as pessoas são negativas sobre acontecimentos passados ​​em sua vida, eles também têm uma atitude fatalista ou pessimista para os eventos atuais."

"Isso gera mais problemas em seus relacionamentos e essas pessoas apresentam piores indicadores de qualidade de vida", explicou Cristián Oyanadel, pesquisador da UGR e co-autor do estudo." 

   Os pesquisadores estudaram 50 indivíduos (25 mulheres e 25 homens entre 20 e 70 anos) escolhidos a partir de uma amostra aleatória. Cada participante recebeu uma bateria de questionários padronizados e testes de orientação temporal. O perfil de orientação temporal inclui cinco dimensões que descrevem atitudes em relação ao passado, o presente e o futuro.

    Uma vez agrupadas por perfis, de acordo com sua perspectiva de tempo, os entrevistados tinham que completar uma pesquisa de qualidade de vida para medir sua saúde física e mental.

"De acordo com o que temos observado em nosso estudo, a dimensão mais influente é a percepção do passado. A visão negativa do passado se mostrou relacionada com piores indicadores de saúde”, observou o pesquisador Oyanadel.

    Os pesquisadores descobriram que as pessoas que tendem a ser negativas acham difícil fazer um esforço físico nas atividades do seu dia-a-dia e têm limitações físicas para o desempenho do trabalho; eles percebem mais dor no corpo e são mais propensos a adoecer.

"Além disso, eles geralmente tendem a ser depressivos, ansiosos e apresentar mudanças de comportamento", acrescentou.

    No estudo foram encontrados três perfis temporais nos participantes: principalmente negativos, principalmente orientados para o futuro e bem-equilibrados.

    Pesquisadores dizem que o perfil equilibrado é o ideal, uma vez que fornece uma atitude saudável nas três zonas de tempo.

"São pessoas que aprendem positivamente das experiências passadas. Eles estão mais focados em alcançar metas futuras e exigem muito de si mesmos, mas eles não negligenciam que eles precisam ter emoções e viver experiências agradáveis".

    Entre o grupo equilibrado, os pesquisadores descobriram os indivíduos mais fortes fisicamente com melhor estado geral de saúde mental. Eles não estavam tão propensos a adoecer e relataram desconforto e dor no corpo com menos frequência.

    Entre o grupo que foram fortemente focadas no futuro, ou seja, aqueles que colocam os seus objetivos pessoais antes de tudo, os pesquisadores descobriram uma valorização diminuída das experiências agradáveis atuais, e uma conexão pobre com suas experiências positivas do passado

"Eles não são fisicamente ou mentalmente não-saudáveis, mas têm uma menor qualidade de vida do que o grupo bem equilibrado", concluiu Oyanadel

    Portanto, especialmente os religiosos, é necessário darmos uma maior importância nas escolhas e condutas que fazemos em nosso presente para que não sejam um elemento negativo em sua saúde amanhã, quando seu presente tiver virado passado e, por consequência disso, um passado que influência negativamente na sua saúde mental e física.

Fonte: PsychCentral

Voltar