Série - Transtorno de Personalidade: O Histriônico - parte 3

24/11/2013 15:43

 

     Eles necessitam ser o alvo de todas as atenções. Ser um outdoor é o motivo de suas vidas! Seu padrão é invasivo de excessiva emocionalidade e busca de atenção. Se você conhece alguém assim, ou se identifica com esse padrão, considere a importância de ler esse artigo até o fim.

     A necessidade de atenção faz com que o histriônico esteja a procura de aprovação constante e pode apresentar um comportamento inapropriadamente sedutor, normalmente a partir do início da idade adulta. Tais indivíduos são vívidos, dramáticos, animados, flertadores e alternam seus estados entre entusiásticos e pessimistas.

     Podem ser também inapropriadamente provocativos sexualmente, expressarem emoções de uma forma impressionável e facilmente influenciados por outros. Entre as principais características relacionadas estão egocentrismo, desorganização egóica, autoindulgência, anseio contínuo por admiração, e comportamento persistente e manipulativo para suprir suas próprias necessidades.

     Assim como boa parte das pessoas que possuem transtornos (o que é mais comum do que podemos imaginar), elas não conseguem identificar ou perceber o seu próprio transtorno.

 

     Os histriônicos são peritos em guardar para si mesmos suas motivações. Acreditam que jamais fazem algo que seja inaceitável, como errar ou ter maus pensamentos sobre alguém. São gente boa que só querem ajudar. Se você questionar isso, é provável que eles sofram. É fantástico constatar quantos estragos as pessoas boazinhas são capazes de fazer — Albert J. Bernstein, Ph.D. – Psicólogo clínico, conferencista, colunista e consultor empresarial.

 

 

Ilustração:

Vanessa corre para alcançar Gisele (histriônica) no corredor.

Vanessa: – Gisele, espere um pouco. Você já preparou a apresentação do material que lhe pedi?

Gisele: – Que apresentação?

Vanessa: – Sobre o novo produto. Não lembra? Após a conversa da reunião destes produto na semana passada lhe enviei um e-mail solicitando a apresentação!

Gisele: – Não recebi nenhum e-mail! (Vanessa sente uma pontada gelada na nuca).

Vanessa: – Quer dizer que você não aprontou o material?

Gisele: – Pensei que o Roberto fosse fazer um resumo daquele material e eu estava esperando que ele entrasse em contato comigo.

Vanessa: Gisele! (Vanessa sente um tom de pânico presente em sua voz). – Eu precisava daquele material para ontem. Volte para o escritório e comece a trabalhar no material já.

– Está bem – disse Gisele. — Não tem problemas.

Duas horas depois, Vanessa está no escritório tentando salvar a situação e construir a apresentação verbal do material de apresentação, quando recebe um telefonema de seu chefe.

Chefe: – Vanessa, preciso falar com você urgente! Uma de suas funcionárias acaba de fazer um queixa de “Assédio Moral por Abuso Verbal” no RH

 

 

     No universo dos histriônicos, nada é o que parece ser. É importante entender que o comportamento deles tem o objetivo funcional mais de enganar a eles mesmos do que ao outro. Não tente mostrar ou fazer com que admitam o que estão realmente fazendo, pois, você pode terminar em situação pior do que a deles. Uma saída plausível e inteligente seria se aproveitar do talento teatral deles para criar um papel menos destruidor para eles. Com um pouco de criatividade você pode ajudá-los para que não cavem o próprio túmulo.

 

 

O Artista e o Cenário

     Como já foi dito, o histriônico adora atenção e aprovação. Estão dispostos a fazer o que for necessário para consegui-las. Sempre entram cantando e dançando no seu coração, se lhes for aberta uma oportunidade. Eles inventaram as comédias musicais, mas também fazem interpretações mais sutis. Os histriônicos são dominadores da conversa educada, tão interessados que fazem com que você se sinta interessante. São promovedores da conversa fiada e a cola milagrosa que emenda as conversas. Também praticam a fofoca.

     Possuem características que as pessoas gostam. São entusiasmados, sagazes e, por vezes, existentes sexualmente. Mas, tome cuidado! Histriônico quer dizer dramático; o que você está vendo não é real, só mero espetáculo. Com certeza, não é o que eles têm para oferecer.

     O “histriônico” é uma nomenclatura nova. Freud chamava de histeria. Este último nasceu como nomenclatura utilizada pelos antigos gregos, como Galeno e Hipócrates, que achavam que as mudanças emocionais dramáticas e as imprecisas afecções físicas que viam nos histriônicos eram provocadas pela migração de um útero infértil (hystericum) para outras partes do corpo.

     Durante séculos, o histrionismo era considerado um problema de mulher. Erroneamente, proveu do fato de que os tipos histriônicos mais frequentes nas clínicas eram mulheres. Hoje, se percebe que há uma gama de extensos histriônicos entre os homens. Assumem papeis de estereótipos masculinos como o pai da década de 1950, o fanático por esportes, o contador de piadas ou executivos motivadíssimos. Eles também gostam de bancar os machões; os lutadores profissionais etc.

 

 

     Muitas vezes eles são mal diagnosticados como antissociais, mas, se você examinar com mais cuidado, poderá perceber que a violência é fingida e que seu verdadeiro objetivo é apresentar um bom espetáculo.

Freud adquiriu grande experiência com os histriônicos, pois eram grande parte de seus pacientes. Partes da teoria do inconsciente, de Freud, foi motivada por histriônicos. Quer acreditar no inconsciente? Conviva por um tempo com um histriônico.

 

 

O personagem sem a máscara

     A necessidade de atenção e aceitação é tão forte na cabeça do histriônico, que eles se dividem entre as partes que as pessoas admiram e nas partes que elas não possuem atração. Quando os histriônicos são obrigados a enfrentar essas partes ausentes e inaceitáveis, seu mundo desmorona. Eles se sentem sempre ameaçados, como alguém que esconde seus quilinhos a mais dentro de um roupa que os disfarça, mas percebem que sua costura está sempre no limite, sempre próxima de arrebentar. — Aquela vozinha que fala na cabeças das pessoas normais e diz “A verdadeira importância está em quem você é e não a sua aparência”, não existe na cabeça do histriônico.

 

     A incompatibilidade do histriônico com a falta de aceitação faz com que, diante de qualquer aspecto de não aceitação, uma tempestade de emoções eclodam e são necessárias horas de incentivos para aplaca-las.

     Casos em que histriônicos que criaram novos personagens para substituir os que foram eclodidos emocionalmente, as vezes, foram geradores de atitudes que intensificaram suas emoções causando estados febris ou a adoção de comportamentos destrutivos e esquisitos para retornar ao senso de equilíbrio. Histriônicos também cometem crimes passionais, são anorexos e bulímicos.

     Um outro aspecto da tempestade emocional dos histriônicos é o caminho inverso ao anterior, o da interiorização. Ela pode ser empurrada para dentro da mente, onde vai se crescer, misturando-se a outros impulsos, até que uma coisinha à toa arrombe a porta do armário e liberte um furacão.

     Dos elementos denominados para haja uma boa saúde mental, três deles são comuns às mentes normais: instinto controlado, ligação com algo maior que si mesmo e busca de desafios. Os histriônicos, com referência as esses elementos, estão espalhados por todo o mapa. Aqueles que possuem TPH – Transtorno de Personalidade Histriônica – são muito ligados às suas emoções, por isso, o estado de seu humor se torna determinante de suas convicções. Habitam num mundo de contradições pois, num determinado momento está SOL para eles e, no minuto seguinte, já é NOITE. Ninguém sabe o que pode acontecer, nem eles mesmos.

     As pessoas capazes de autodomínio são os alvos preferidos dos histriônicos. Desejam alguém que os salve de si mesmos e das complexidades da vida.

 

 

O Dilema do TPH

     Podemos comparar um indivíduo com TPH como um carro que possui todas as peças para andar, mas não fazem nada além de ficar parados exibindo sua beleza. São como flores lindas e raras, que exigem muitos cuidados, mas murcham no dia seguinte. O dilema que apresentam é simples, embora bastante difícil de resolver: se você não oferecer esses cuidados, outra pessoa o fará.

 

Características do Histriônico

 

Quanto a Sociabilidade – São criaturas sociais. Gostam da companhia e, na maior parte do tempo, são companhia agradável. Sabem ser animadas, cordiais, espirituosas, sensuais, empolgantes ou qualquer outra coisa que você queira, menos substanciais. Sem os histriônicos, o mundo seria um local menos amistoso, só trabalho, carente de drama e estilo.

 

Necessidade de atenção – É essencial para os histriônicos. Sem atenção suficiente podem estrebuchar e morrer. Onde há plateia elogiosas, lá haverá um PTH. É uma tendência destruidora de relacionamentos. Não resistem a um cortejo e geralmente retribuem, sejam quais forem suas intenções.

Estão sempre em busca de atenção e se não recebem saem pelos corredores, buscando-a. O destino é irrelevante para eles acharem atenção. Não têm a intenção de provocar problemas, mas parece que sempre criam mais problemas do que qualquer outra pessoa.

 

Necessidade de aprovação – Preferem que toda a atenção que recebem seja positiva. Desejam ardentemente serem aceitos socialmente e se esforçam para corresponder às expectativas de todos.

Esperam que todos os achem maravilhosos. Não aceitam críticas, pois não sabem lidar com elas. Não ouvem nada que não sejam elogios irrestritos.

 

Emocionalidade – Seu mundo é só emoção. A realidade para eles é definida pelo modo como se sentem. O que sabem e pensam não importa. Essa emocionalidade pode ser desconcertante para quem tenta argumentar com eles. Qualquer coisa pode alterar seu humor. E ele precisa de muito menos para mudar de ideia.

São famosos pela memória seletiva. Conseguem guardar a animação da reunião, quem foi, que roupa estavam usando e quem estava zangado com quem, mas não se lembram dos assuntos tratados.

 

Dependência

O sentimento de incompetência é bastante patente nos portadores de TPH, independente do papel que estejam representando. Por isso, não se relacionam bem dificuldades e detalhes, pois apresentam dificuldade para lembrar. Desta forma, como uma forma de sobreviver, os histriônicos procuram pessoas de status, para serem cuidados por elas. Assumem uma postura exibicionista e bajuladora incessante para cativar tais alvos que possam mudar aas regras incômodas.

 

 

Preocupação com a aparência

Eles dedicam grande parte de suas energias em sua aparência, seja a visual ou a teatral. É um notável investimento em tempos que a atração física derruba todo o resto. Para os histriônicos, a deterioração de sua aparência é um fator terrível.

 

Sugestionável

Eles são tão camaleônicos que se perde a ideia de qual seja a sua forma original ou primeira. Se transformam automaticamente naquilo que o objeto de seu desejo quer, isto é, se você quer um príncipe ou uma princesa encantada, ele ou ela o serão. Ou seja, se transformam no que você quer. Não precisam criar uma realidade alternativa, ele são a realidade alternativa. Eles conversam com plantas, meditam sobre as vidas passadas e vêem anjos. O que for necessário.

 

Falta de perspicácia

São experts em chamar a atenção, mas não tem a menor noção de si mesmos. Eles sabem menos de seu passado, suas motivações do que de seus personagens de televisão.

Lembrando que ele possuem uma memória seletiva, isso faz com que seus registros mentais sejam em parte num seriado vívido mas desconexo.

 

 

Sintomas físicos

Suas vidas são verdadeiras confusões de realidades e fantasias, obsessões e repressões, impulsos e inibições. São mestres em doenças não-diagnosticáveis. Se se sentem mal sobre alguma coisa eles somatizam. Doença é uma forma de arte e são interpretadas como poemas. Eles sentem dor na coluna quando não conseguem enfrentar alguém. Ou prisão de ventre quando não toleram mais asneiras.

 

Algo mais?

     Sim, existem mais algumas coisas sobre os histriônicos. Tem os tipos “exagerados”, que são bem oportunistas e manipuladores. Assumem papeis exagerados e tentam chamar o máximo de atenção possível, e não ligam se é de forma positiva ou negativa. Sua verdadeira plateia é muito mais ampla. A atenção que os sedutores exagerados anseiam é de todos com quem concorrem pela atenção, e derrubam com a maior facilidade.

 

 

Ilustração:

Roberto ouve um riso no corredor. Desvia o olhar da tela do computador para a porta e vê Sandra. Não repara, mas todos os outros homens do escritório de contabilidade estão olhando na mesma direção.

Sandra entra com um vestido vermelho provocante e um decote espetacular. Com um sorriso cumprimenta as pessoas e com a cabeça acena como se tivesse entrando em uma festa. Roberto sente o coração disparar quando os seus olhos se encontram.

De repente, Sandra se coloca ao lado de Roberto com olhos e boca abertos em expressão de surpresa agradável.

— Roberto! - exclama ela, aproximando-se da mesa dele. — E você mesmo? Está tão diferente sem aquela barba!

O perfume de Sandra tem aroma misturado de flores e condimentos. Damon perde o fôlego quando ela se inclina sobre a mesa para “tocar” no rosto dele.

— Eu não sabia que você era tão bonito por baixo daquela barba! – Exclama a moça. Roça delicadamente com as pontas dos dedos o rosto de Roberto.

Roberto sente o rosto arder. Com muito esforço ele impede os olhos de se voltarem para baixo.

— Eu...   Ehh!... Achei que estava na hora de mudar, ...  sabe? – diz ele, quase gaguejando.

Sandra inclina a cabeça e sorri como se fosse a coisa mais interessante que ouvira naquele dia.

— Você é uma gracinha! Aposto que as garotas vivem lhe perseguindo no escritório.

— Quisera eu! – revela Roberto.

E Sandra sorri. — Ah! Você só está querendo bancar o modesto.

Ela o cutuca com uma longa unha vermelha ao pôr uma pilha de pastas sobre a mesa (dele), e diz: — O sr. Haroldo me pediu que procurasse alguém para fazer estes cálculos hoje. Será que você... ?

Roberto empurra para o lado todos os projetos que estão em cima da mesa e puxa as pastas para perto do coração.

— Não tem problema – responde ele.

(Roberto caiu como uma mosca na teia de Sandra. Ninguém mais se deixaria enganar por um só minuto, principalmente as outras mulheres).

Mais tarde, durante uma pausa para o café, Jéssica, com uma toalha enfiada sob o suéter, diverte Rayssa e Simone com sua imitação de Sandra.

— Oh, Roberto, você ficou uma gracinha sem aquela barba feiosa – diz Jéssica, em voz rouca de Marilyn Monroe e falso sotaque sulista. Inclina-se na frente de Simone como se ela fosse Roberto e diz: — Está vendo alguma coisa de que gosta? – pergunta, batendo as pálpebras.

Simone está rindo tanto que quase cai.

— Vocês deviam ter visto a cara do Roberto! – Graceja Jessica, sacudindo a cabeça. — Nem percebeu o que aconteceu.

— Como os homens podem ser tão bobos? ­– pergunta Rayssa.

 

 

Finalizando mais não terminando...

 

     O que pode causar o histrionismo é indefinido. Deve-se considerar fatores biológicos e, principalmente, hereditários e ambientais/familiares. Não raro alguns histriônicos foram privados de atenção e afeto por parte de algum dos pais. Contudo sabe-se também que pessoas que têm familiares em geral com transtorno de personalidade, principalmente histriônico/histérico, limítrofe/borderline, antissocial/sociopático e narcisista, têm 2 vezes mais chances de apresentar o histrionismo; e pessoas que têm familiares muito próximos (pais e avós) com personalidade histriônica ou borderline têm 5 vezes mais chances de haver traços do primeiro distúrbio. Assim como a histeria, o histrionismo é mais comum nas mulheres.

 

 

______________________________________________________
Rev. Luiz Cláudio de Oliveira é Pastor Presbiteriano - PDCX/SRF;
Psicanalista Clínico - CRPC/RJ nº 0196/12 e Designer.
Para contato: luizluizrev@hotmail.com / @revluizclaudio / facebook.com/luizluizrev
Voltar